Qual é o Grilo

Como influenciar meus amigos a não usarem drogas?

“Alguns amigos da minha faculdade acabam comentando que experimentam drogas e alucinógenos em festas e sei que isso não é certo. O que posso fazer para influenciá-los a não seguir por esse caminho, sendo que eles não demonstram nenhum interesse em participar de atividades religiosas?”

Resposta:

Reverências! Muito obrigado!

Ficamos muito felizes por receber sua pergunta. Seu interesse em ajudar seus amigos é um ato louvável de sua parte e demonstra que você tem consciência da importância de transmitir o bem ao próximo, parabéns!

 

O viver baseado em satisfazer os desejos carnais com o uso de drogas e alucinógenos é reflexo de uma consciência limitada que desconhece a grandiosidade da natureza divina de filho de Deus. O ensinamento da Seicho-No-Ie visa justamente prover ao homem a elevação de sua consciência com o autoconhecimento (descoberta) da sua verdadeira natureza e, como consequência, refletir em seu ambiente uma vida bela e livre, sem necessidade de buscar estímulos no mundo exterior.

 

No livro Superando Obstáculos, do prof. Yoshihico Iuassaca, o capítulo “A Verdade que liberta do vício e das drogas” é dedicado ao tema e explica as razões que levam os jovens a consumir drogas: “Um sentimento bastante comum entre esses jovens é o de revolta contra os pais… Quando se manifesta a revolta por meio de críticas, desobediência e comportamentos rebeldes, existe por trás o sentimento de rejeição, de carência. O jovem quer assim chamar a atenção ou, ainda que conscientemente, ‘vingar-se’, causando sofrimento aos pais. Com esses sentimentos, são facilmente atraídos por drogas de todos os tipos, que são meios de camuflar a mente insatisfeita e também uma espécie de anestésico, de fuga. Além disso, corroendo pouco a pouco seus corpos, estarão punindo seus pais, que lhes deram esses corpos, e punindo a si próprio também, pois começam a desprezar-se”. O livro ainda acrescenta outros fatores que, isolados ou associados, também levam ao uso de drogas, tais como sentimento vazio, solidão, melancolia, sentimentos reprimidos e de culpa”. Sendo assim, ainda que seus amigos universitários demonstrem o uso de drogas e alucinógenos como forma de prazer e diversão, a verdadeira razão que os levam ao uso desses entorpecentes é o sentimento de infelicidade e tristeza que eles nutrem na alma. Como somos dotados de natureza divina, perfeita e pura, a Lei da Vida determina que todos os sentimentos imperfeitos devem ser expelidos de nossa alma, e a isso podemos atribuir de sentimento de insatisfação espiritual a qual gera o desejo de busca do viver verdadeiro condizente com nossa natureza divina.

 

Portanto, o que ocorre com seus amigos é justamente a busca do caminho verdadeiro, pois, ainda que não declarem explicitamente isso, suas atitudes não deixam dúvidas. Entender esse ponto (razão espiritual que os levam ao uso de drogas) é importante para que você possa atuar de forma efetiva. Quando a pessoa enfrenta essa dificuldade e tem o desejo consciente de buscar uma melhor forma de viver, nos possibilita oferecer um caminho mais direto de lhes apresentar o ensinamento da Seicho-No-Ie pelos mais diversos modos de difusão: convite a reuniões na Associação Local com orientações e práticas de orações, estudo de revistas e livros da Seicho-No-Ie, participação em seminários nas academias, entre outros. Porém, quando as pessoas resistem a esse tipo de abordagem, não precisamos nos desanimar, pois temos outras formas de ajudá-las. Só o fato de estarmos próximo delas, enviando nossa vibração espiritual, já é uma forma de ajudar. Nesse aspecto, devemos tomar o cuidado de administrar de forma positiva o desejo de auxiliar, para que não se torne um sentimento de apego à “salvação”. Nesse sentido, compartilho uma recomendação do prof. Seicho Taniguchi publicada no livro Reflexões sobre a Vida, que diz: “É inútil tentar fazer com que o outro obedeça por meio de persuasão, de autoridade ou de força física proveniente de seu ego. A vitória final estará sempre na Verdade. De nada adiantará gritar histericamente nem esbravejar aos berros. Quando a Verdade se veste de amor e fala com serenidade e ternura, tornar-se-á energia mental suprema que o moverá”.

 

Dessa forma, nutrindo de sentimento verdadeiro e correto, podemos auxiliar as pessoas ao nosso redor enviando-lhes orações e mentalizações, e isso fortalecerá suas almas sem que haja nenhum tipo de resistência. Nesse sentido, orientamos os adeptos a relacionarem os nomes de seus entes queridos e amigos no que chamamos “Lista de Felicitações” com esse mesmo objetivo (geralmente oferecemos leitura de orações constantes no livreto Sutras Sagradas e nos livros da Seicho-No-Ie).

 

Essa “simples” lista tem um poder incrível, e temos diversas experiências de adeptos que, ao iniciarem essa prática, presenciaram relatos impressionantes, como, por exemplo, membros da família que naturalmente despertaram o desejo de participar das atividades da Seicho-No-Ie sem que houvesse um convite.

 

Desejamos sucesso em sua jornada em difundir o ensinamento da Seicho-No-Ie por meio do seu modo de viver!

Muito obrigado!

 

Preletor em grau Júnior Marcio Soares Salmi

 

Publicado na revista Mundo Ideal #254

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *