O que você faz nos seus momentos de lazer?

É difícil elencar todas as formas de lazer que existem pelo mundo, de acordo com a época e a faixa etária, pois há uma infinidade de formas de se entreter. É fato que as formas de entretenimento foram mudando com o tempo. Até há pouco tempo, na minha adolescência, a internet estava no seu início e chegava aos lares brasileiros pela rede telefônica discada. Como tudo que se está iniciando, não havia ainda muitas opções de entretenimento, mas só o fato de ficar aguardando alguns minutos para acessar a internet e ficar esperando abrir uma página da web, ou um link, já era um grande divertimento. Atualmente, com o rápido desenvolvimento das ferramentas de comunicação, muitas pessoas, jovens principalmente, utilizam a internet como opção de lazer.

Com o avanço da internet e da tecnologia de um modo geral – computadores, videogames, TV em alta definição, Blu-ray etc. –, grande parte do lazer, hoje, vem dessas opções tecnológicas. Porém, essa é apenas uma forma de lazer e, quando realizada de forma excessiva, provoca desequilíbrios. Muitos vêm isso como algo que está desconectando a humanidade, em vez de unir mais, priorizando a interação virtual ao contato real entre as pessoas. É como ir à praia e ficar com o fone no ouvido sem sequer perceber o som das ondas do mar. É o que alerta o norte-americano John Naisbitt, em seu livro High Tech, High Touch: A Tecnologia e a Nossa Busca por Significado, p. 39:

Realizando operações bancárias por computador, você nunca conversa com o caixa. Comprando pela internet, você nunca conversa com o vendedor. O ruído dessas tecnologias, tanto no sentido literal como no figurado, pode efetivamente isolar os seres humanos uns dos outros, da Natureza e de nós mesmos. A tecnologia pode criar distância física e emocional e nos afasta das nossas vidas.

Essa preocupação com o afastamento do ser humano de seu irmão, da Natureza e dele mesmo está em consonância com as orientações do Supremo Presidente da Seicho-No-Ie, prof. Masanobu Taniguchi, que ensina que:

O sentimento de unidade entre si mesmo e os outros é o que torna realmente o ser humano um ser humano. (Canto em Louvor à Natureza, pp. 33-34)

E também de acordo com o fundador da Seicho-No-Ie, Masaharu Taniguchi:

Se compreenderdes que todos
os seres são irmãos,

que todas as vidas são irmãs,

que todas as criaturas formam

um todo indivisível

e que Deus é Pai de todos os

seres,

brotará espontaneamente em

vós o sentimento de amor e

louvor ao próximo.

(Sutra Sagrada Palavras do Anjo, pp. 80-81)

 

Percebe-se que a sociedade está carente desse sentimento de amor, pois veem-se várias manifestações opostas ao amor, como o ódio entre etnias, a disputa pelo poder, o desrespeito, roubos, guerras civis e, entre nações, o aquecimento global, a destruição da Natureza etc.

É necessário restabelecer o equilíbrio. Para tanto, é necessário voltar ao sentimento original de que eu e o outro somos irmãos. Dessa forma, convido você a explorar outros tipos de entretenimento, que valorizam mais o contato, a interação e a união com as pessoas, com o mundo exterior e com a Natureza.

Afinal o que você tem feito para se divertir? Deita no sofá e assiste a um filme? Assiste àquela série de TV favorita? Gosta de jogar videogames? Adora ficar no Facebook vendo quantas curtidas recebeu na sua última postagem? Liga o som alto e fica dançando na sala como se ninguém estivesse vendo (isso é bem divertido!)? Pratica algum esporte? Vai ao cinema, teatro e exposições de arte? As opções são inúmeras, e cada um escolhe conforme seu gosto. Entretanto, daremos prioridade às opções de alto contato, que priorize o humano, para você escolher em seus momentos de lazer.

Esse tipo de lazer, que prioriza o humano, é visto como algo positivo também no mercado de trabalho. Pois a pergunta “O que você faz nos seus momentos de lazer?” é frequentemente vista nas entrevistas de emprego. E mostra a preocupação do candidato com seu desenvolvimento pessoal, relacionamento interpessoal e capacidade de gerir seu tempo.

A primeira boa dica de lazer são as atividades artísticas. Pois, além de proporcionar divertimento e alegria, traz a contemplação do belo. E isso realmente faz com que se volte ao estado de equilíbrio original, pois:

 

Vendo uma obra de arte ou ouvindo uma música, apreendemos a vibração da Vida de um irmão nosso. (A Verdade da Vida, v. 32, p. 17)

 

Dessa forma, é despertado em nós o sentimento de unidade entre eu e o outro. Outro benefício inerente a essa atividade é que a mente, habituada a contemplar o belo por meio das mais diversas formas de expressão artística – artes plásticas, música, arquitetura, poesia, teatro, dança etc. –, passa a ver o belo em seu cotidiano. Neste mundo, atua uma lei mental que rege todos os seres: “Aparece em nossa vida aquilo que é reconhecido na mente”. Por isso, quanto mais atividades de lazer que envolvam a contemplação do belo você fizer, mais coisas belas aparecerão em sua vida. A vida fica muito mais interessante, rica, cheia de detalhes que normalmente não reparamos com a correria do dia a dia. A nossa mente fica aguçada, e percebemos quanta beleza existe no mundo, na Natureza, em sua cidade, em seus amigos, em seus irmãos, em seus pais.

Por conseguinte, percebemos que temos muitas coisas boas em nossa vida, dignas de profunda gratidão. E, quando temos a mente grata a tudo e a todos, nada neste mundo nos fará mal, como a Revelação Divina da Grande Harmonia nos ensina: “Quando todo o Universo se tornar teu amigo, coisa alguma do Universo poderá causar-te dano”.

Além disso, a busca pelo belo lhe dá um prazer duradouro, calmo e sereno, de natureza espiritual. Como a natureza do homem é espiritual e não carnal, temos essa sensação de paz ao experimentar a contemplação do belo. Quantos benefícios podemos tirar dessa atividade de lazer! Maravilhoso, não é mesmo? Vale a pena dedicar parte de seu tempo à contemplação e à criação do belo.

Em contrapartida, o prazer ligado ao corpo carnal, à sensualidade, por exemplo, é agitado e, quando acaba, deixa uma sensação de vazio. E, quando em excesso, transforma-se em dor ou depressão. Causando graves consequências, como alerta o prof. Masaharu Taniguchi:

 

Quem dá importância exagerada a desejos instintivos como esses, considerando-os como sendo direitos humanos básicos, deixa de sentir a razão de viver quando não consegue satisfazer esses desejos. É por isso que algumas pessoas se suicidam. (Leve Avante Sua Vida, p. 203)

 

Por isso, nem tudo que é considerado lazer pelo senso comum pode ser visto como algo que traz a real sensação de alegria. Portanto, você pode escolher divertimentos que lhe tragam benefícios para a sua alma, programando atividades que causem essa sensação de alegria, de razão de viver. Por conseguinte, não priorizar atividades que buscam apenas saciar desejos carnais, como o fumo, bebida e instintos sexuais, que, apesar de darem uma sensação momentânea de prazer, no final trazem um vazio na alma.

A próxima dica de lazer é o esporte. Inclusive é a opção nos finais de semana de 22% dos jovens, de acordo com uma pesquisa realizada pela Secretaria-Geral da Presidência da República e publicada em 20/4/2014 pelo jornal O Estado de S. Paulo.

(Fonte: http://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2014/04/20/interna_nacional,520891/lazer-para-jovem-e-gratuito-em-casa-ou-ao-ar-livre.shtml – Acessado em 24/10/2014 às 9h31)

O esporte é outra excelente opção, pois evoca valores como a união, tanto de uma equipe como de uma nação e de todos os povos. Proporciona um maior contato consigo mesmo, despertando a sua capacidade infinita, e há também um maior contato com a Natureza, de acordo com a modalidade.

Além desses benefícios, há outros tão importantes quanto.

Esporte é divertimento, é exercício físico, é competição. (A Verdade, v. 3, p. 163)

As atividades esportivas são um divertimento porque descontraem a mente e aliviam as tensões do dia a dia. Também reorganizam as ideias e fazem com que tenhamos mais disposição para as atividades diárias. Igualmente, auxiliam a melhorar o rendimento nos estudos. Isso é muito importante, principalmente para os jovens que estão em época de prestar vestibular e que costumam estudar durante várias horas ininterruptamente:

Estudar é muito importante, mas também é necessário praticar esportes… Se a pessoa ficar demasiadamente concentrada nos estudos, passando todos os momentos sentada diante da mesa, sua mente poderá ir se contraindo, tornando-se sombria. Após passar uma ou duas horas estudando, é necessário praticar descontraidamente algum esporte. (A Verdade, v. 3, p. 163)

Portanto, é importante ter em mente que, quando praticamos esporte, também melhoramos o nosso rendimento escolar. Isso ajuda a aliviar o sentimento de culpa de muitos vestibulandos que acham que não podem “perder tempo” tendo alguma atividade de lazer. Praticando esporte, ao contrário do que se pensa, os estudantes melhoram o seu desempenho nos estudos.

E, se você está na fase da adolescência, saiba que as atividades esportivas são muito importantes nessa fase para o seu desenvolvimento físico:

A adolescência é o período em que o corpo físico está em formação. Uma casa pronta só pode ser transformada destruindo algumas partes, mas, ainda na fase de construção, é possível modificá-la para torná-la a melhor possível. (A Verdade, v. 3, p. 164)

Essa é uma grande vantagem! Porém, é importante que você perceba e dê valor a isso, destinando parte de seu tempo ao esporte. Como na adolescência o corpo está em transformação, você construirá um corpo mais forte, e isso o auxiliará também no futuro.

Há uma outra coisa importante a ser dita sobre o esporte, pois, além de auxiliar no rendimento escolar e no desenvolvimento físico, auxilia também na vida profissional:

O esporte praticado como uma competição, não apenas como exercício físico ou recreação para alegrar a mente, é muito importante para ativar e aguçar a mente do praticante.

Para a pessoa realizar um bom trabalho na vida, é preciso que tenha mente ativa e aguçada, para ir solucionando, um após o outro, os problemas que forem surgindo. O sucesso ou insucesso profissional se define pela atuação perspicaz ou não da mente perante um trabalho. Praticar esporte é muito bom para cultivar essa perspicácia, pois a pessoa faz isso enquanto se diverte. (A Verdade, v. 3, p. 165, 2ª ed.)

 

Portanto, praticar esporte é uma dica valiosíssima de lazer e, de bônus, ainda traz todos esses benefícios. Assim também como a prática de contemplação do belo. Dessa forma, por meio de nossas atividades de lazer, de modo alegre e divertido, vamos desenvolvendo a nossa alma, melhorando a nossa percepção do mundo, recuperando um olhar mais humano de unidade com o outro e contribuindo para concretizar um mundo mais feliz, harmonioso, de amor mútuo e cooperação. Bom divertimento!

Aspirante a Preletor da Sede Internacional Luciano Sundin do Lago

Publicado na revista Mundo Ideal #247 – Fevereiro/2015

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *